Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Edital do FAC Audiovisual terá R$ 22,7 milhões

Compartilhe:
Cine Brasília, Asa Sul, Brasília, DF, Brasil 28/7/2017 Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília.

Em cerimônia ocorrida no Cine Brasília, foi lançado nesta sexta-feira (28), novo edital do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) de 2017 com linha específica para audiovisual. As inscrições começam em 23 de agosto e vão até 11 de setembro, no site da Secretaria de Cultura.

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg.

Com três novas linhas de apoio, a Secretaria de Cultura injetará R$ 22.765.000,00 na produção do Distrito Federal, por meio do edital 2017 de Audiovisual do Fundo de Apoio à Cultua (FAC). O recurso é o mesmo do edital anterior (com um reajuste de R$ 50 mil a mais), sendo R$ 12.775.000,00 do orçamento do fundo e R$ 9,9 milhões advindos de parceria com a Ancine, via Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

Para o secretário de Cultura, Guilherme Reis, o setor do audiovisual no DF tem se destacado em todo o país e também ganhado o mundo. “É incrível como toda a cadeia deste segmento têm crescido e se profissionalizado. Os resultados são visíveis. E o FAC desempenha papel central para impulsionar esta atividade”, diz o secretário.

Como resultado de consultas públicas e conversas com o setor, o edital fomentará também atividades de núcleo criativo, obra seriada para TV e projeto livre. As demais permanecem as mesmas: longa-metragem ou obra seriada, produção com finalização, produção de longa-metragem, complementação, finalização, apoio ao desenvolvimento do cineclubismo, pesquisa cultural, publicação, ações de capacitação e formação, restauração e preservação de acervo e festivais (ou mostras e eventos).

Segundo o subsecretário de Fomento e Incentivo Cultural, Thiago Rocha, é notória a importância dos produtos voltados para o suporte televisivo. “As séries de TV compõe um segmento indispensável para a economia do audiovisual no mundo e o FAC precisava absorvê-la”, reconhece.

A linha de projeto livre já tem sido previstas nos editais de áreas culturais, mas ainda não havia para o segmento do audiovisual. O núcleo criativo, por sua vez, receberá propostas de desenvolvimento, de forma colaborativa e sob a direção de um líder, de uma carteira de projetos de obras audiovisuais seriadas, de obras audiovisuais não seriadas de longa-metragem e de formatos de obra audiovisual, brasileiros de produção independente.

Políticas para o Audiovisual

A Secretaria de Cultura do Distrito Federal vem mantendo um diálogo constante com todo o setor do audiovisual, preparando um conjunto de iniciativas para conferir novo desenho institucional para atuação governamental neste segmento. “O cinema produzido aqui vive um momento único, com o crescimento da produção, ampliação de postos de trabalho, e maior visibilidade no mercado nacional e internacional”, constata o secretário Guilherme Reis.

Segundo ele, outras novidades virão pela frente, como a criação do Conselho Curador do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (uma antiga reivindicação do setor) e a discussão e a atualização da função do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo.

No ano em que se celebra os 30 anos da inscrição de Brasília como Patrimônio Cultural da Humanidade da Unesco, o audiovisual do DF também registra um marco histórico. De 15 a 24 de setembro será realizada a 50ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que neste ano . “O aumento vertiginoso no investimento na produção local e a longevidade do festival reafirmam a vocação de Brasília para o cinema”, avalia Sara Rocha, coordenadora de Audiovisual da Secretaria de Cultura.

O festival permanece em sua casa tradicional, que é o Cine Brasília. A maior sala de projeção do DF também se insere no contexto de fortalecimento da política de acesso à cultura. Com programação diária, o cinema conta desde 2015 com um modelo exibidor profissional, que permite trazer a Brasília produções exclusivas, fora do circuito tradicional, ampliando a oferta de cinema de todo o mundo em Brasília. Este esforço também é possível com apoio das embaixadas, que promovem mostras importantes para a difusão da produção internacional.

Lei Orgânica da Cultura

O secretário de Cultura, Guilherme Reis, reforçou durante o lançamento do edital a importância da Lei Orgânica da Cultura (LOC) para fortalecer os mecanismos de fomento à cultura. “Temos conseguido, diante de todas as dificuldades, avanços históricos não só para o setor do audiovisual como para toda a cultura do DF”, diz.

Assumindo compromisso de aprovar a LOC ainda em agosto, o deputado distrital Rodrigo Delmasso (Podemos-DF) parabeniza a gestão do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), que tem garantido distribuição de recursos de forma cada vez mais democrática. “Todas as arestas da LOC foram aparadas e a Câmara Legislativa reconhece a importância de tratar a cultura de forma diferenciada”, atesta.

Para o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, a LOC é um instrumento fundamental para a gestão da cultura no DF. “Ao investir em cultura, estamos trazendo um retorno muito grande para a cidade, contribuindo para a economia criativa, que é uma vocação da nossa capital”.

Números do FAC Audiovisual

2011 – R$ 6.161.779,14

2012 – R$ 7.401.380,59

2013 – R$ 8.951.203,14

2014 – R$ 18.638.543,87

2016 – R$ 22.715.000,00

2017 – R$ 22.765.000,00

 

Edital FAC Audiovisual 2017

Anexo I – Linhas de Apoio

Anexo II – Termo de Ajuste

Anexo III – Plano de Trabalho

Anexo IV – Parâmetros de Contratação FSA (Produção)

Anexo V – Parâmetros de Contratação FSA (Comercialização)

Deixe seu comentário:

Curta no Facebook

Menu

Curta no Facebook

Redes sociais

+ Ativa FM

+ Ativa FM